Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de abril de 2013

Aos participantes num almoço

Em 28 de Abril de 2013


Tenho uma esposa capaz

Que além de bela e formosa

Se mostra sempre sagaz

E sempre bem criteriosa


Tenho uma nora querida

Que sempre e a toda a hora

É a nora preferida

Por mim e pela Mari, sogra


E temos um filho gigante

No tamanho e no saber

Que será sempre o garante

Da família f'liz viver


Ainda temos um neto

Cujo nome é Frederico

É rijo, é bem esperto

Preparado p'ra ser rico


E também aqui eu estou

Não me sentindo culpado

De no tempo que já passou

Não os haver mais amado

Diálogo com um marido

-Oiça lá, porque é que você está a olhar para a minha mulher?

- Põe Deus no ceu as esrelas
  Cintilando no firmamento
  Na Terra mulheres belas
  Que vemos em cada momento!

- O senhor, com essa idade, parece-me parvo, tonto, um grande palerma !

- Tenha calma, tenha calma
   Pelo que eu digo não se abrase
   Disse o que me ia na alma
   Responde-me em perifrase

- Estou aqui, estou a responder-lhe com uma paulada

- Seria coisa bem vil
  Dar-me agora uma paulada
  Porque nada tenho de útil
  Para lhe dar uma bengalada

- Vá bugiar, vá àquela parte...

- Não empregue vagas palavras
  Sem saber  seu significado
  No Bugio eu jamais  estive
  E aquela parte é p'ra que lado?

- O senhor não me irrite, olhe que eu perco a cabeça!

- Irritar-se é grande defeito
  Não ajuda muito à saude
  Perder a cabeça é mau jeito
  É sinal de decrepitude

- Olhe, adeus e vá à merda!

- Boa tarde, boa tarde
  Bem vejo q'da sua boca
  Sai artigo consagrado
  Que sempre sai doutra toca

domingo, 28 de abril de 2013

Livro "Sonho de sorte" de minha autoria

 A quem interessar: o livro de minha autoria "Sonho de sorte" encontra-se publicado neste meu  blog, desde 10/1/2012 até 3/6/2012 em folhetim.
E a quem o leia agradeço que me enviem a crítica, as dúvidas, as discordâncias, os vossos comentários..

O meu segundo livro

O meu segundo livro irá sair digital. Ou doutra forma que o progresso me oferecer. 
Duas filhas e uma neta encarregaram-se de tanto.
Como são mulheres despachadas e activas espero que breve me deem essa alegria.
Talvez se intitule " Contos, versos e pensamentos"

Citação

"Alma! Eis o que nos falta.l Porque uma nação náo é uma tenda, nem um orçamento uma bíblia. Ningem diz: a pátria do comerciamnte Araujo, do capitalista Seixas, di banqueiro Burnay. Diz--se
pátria de Herculano, de Camilo, de Antero, de João de Deus. Da mera comunhão de estômagos não reulta uma Pátria, rsulta uma pia. Sócios não significa cidadãos. O burguês estúpido, perante as calamidades que nos assaltam, computa-as em libras, redu-las a dinheiros.Parece que se trata duma mercearia em decadencia. Dívida flutuante, iimpostos, câmbios, cotações, alfândegas, cifras, dinheiro, nada mais.A ruina moral não entra na conta nem por uma vitem. Deve e há-de haver, eis o problema. Direito, Justiça, Honra. Pundonor, - palavras! Se o gigo das compras andasse farto e os negócios  corressem, podiam encafuar Jesus Cristo na penintenciária e sua Mãe no aljube, que a récua burguesa, dzendo-se católica, não se moveria- O câmbio estava ao par."
                          De Guerra Junqueiro em "Anotações" ao seu livro "Pátria"

              Mais de cento e vinte anos passados notais alguma semelhança com o que hoje se passa?

sábado, 27 de abril de 2013

O dinheiro

Continua sem discussão pública, o dinheiro.
Parece ser um mal de quem muitos gostam.
Mas eu duvido que os pobres, os que mais sofrem com o dinheiro desde que este existe, duvido que os pobre apreciem esse mal.
O objectivo maior e principal do meu livro foi o de levantar a discussão sobre o dinheiro. Mas poucos me teem apresentado objecções,
Voltarei a este assunto.

Retomo a escrita neste meu blog

Já quase havia desistido do blog. Decidi levar o computador à oficina, encontraram a malandrice e retimo as minhas mensagens.