Número total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de março de 2014

Humildade e a razão de a ter

       A verdadeira humildade, como outros atributos, não se sente, é natural, pratica-se sem ostentação sem esperar elogio nem sequer aguardar qualquer reconhecimento. Ser humilde, quando a tanto as circunstâncias nos impelem, é uma faceta do nosso caracter, da nossa personalidade, da nossa vivência. Tem o grau certo se não sentimos que nos rebaixamos, nos inferiorizamos, nos diminuímos. Se não a sentimos, na verdade se não a sentimos. E penso que nos eleva ainda que não sintamos que nos eleva. Fora de nós, quem a pode avaliar são os que nos encaram, que nos escutam, quando a exibimos.
       E julgo que quanto melhor a praticamos e exibimos, menos a sentimos. E que quanto melhor e mais simples e verdadeira fôr, mais a respeitam.
  

sábado, 29 de março de 2014

AInda a dieta

           Repetindo o que disse na minha última mensagem: só existe uma dieta eficaz:: comer menos. Eu também o digo para continuar a induzir-me a fazer o mesmo, Obtendo bons resultados. E, o que não é menos importante, sem passar fome. Quando tenho fome como o que me apetece. Mas não mais do que o suficiente para eliminar a fome. O que é sempre muito pouco. Reparem bem: se teem fome e comerem um pastel de bacalhau, antes de comer mais seja o que fôr, pensem. Se  saciaramm a fome. Mas se tiverem mais três ou quatro pasteis no prato, comê-los-ão todos. Este é o segredo; pôr apenas um pastel no prato.   Sigam-no e não comprem uma panaceia que a publicidade pretende impingir-vos. Experimentem. E não façam batota.   

quinta-feira, 27 de março de 2014

Dietas

            A publicidade de produtos para dietas de emagrecimento, é enorme.  E todos os que engordam  progressivamente, ao longo de vida  e em particular em períodos de pós- reforma ou em  épocas de prosperidade económica , adquirem  o´hábito da gula que, à medida que o estômago aumenta,  se transforma em vício.
             Mas qualquer hábito traz consigo um determinado equilíbrio , um programa que o cérebro estabelece para  as decisões. E, no caso da obesidade, surgem as desculpas, argumentos e justificações do costume:  "os meus pais e avós eram ou são gordos, gordura é formusura, só se vive uma vez, eu posso sempre, quando quero, parar de comer,  não posso deixar comida no prato ", etc...
 As áreas de comportamento impulsivo foram fortalecidas enquanto que diminuiram as áreas de comportamentos racionais.
              Todas as pessoas que eu conheci praticando  e seguindo dietas - através de programas especiais ou  pelo consumo de produtos farmaceitricos - tiveram êxito, emagreceram.  Mas   passados alguns meses após o final do período de dieta, todos recuperaram o peso anterior e em muitos acasos até o aumentaram.
               A única dieta de bons resultados que conheço resume-se a comer menos, colocar no prato metade dos alimentos que normalmente consumimos, só petiscar qualquer alimento se houver fome. Pode-se comer de tudo, se gostamos de chocolate, quando abrimos a peça de chocolate,  separar apenas um pequeno troço, fechar a barra de chocolate e só comer mais se houver  fome. Trava-se uma luta entre o programa do cérebro para comer chocolate e a vossa vontade, Se esta triunfa está aberto o caminho da dieta eficaz. Se não  resistimos,  devemos pensar : tenho fome, para que necessito de comer mais chocolate se não tenho apetite para mais ? A pouco e pouco vamos obtendo vitórias que a balança confirma. E o que se passa com o chocolate passa-se com outro qualquer alimento.

Poema "Vida"

          Terminei o meu poema "Vida" com a publicação da última estrofe, a XXXI. Com uma gralha . No primeiro verso dessa estrofe em vez de "Nestes versos pretendo relatar", deve ler-se "Nestes versos pretendi relatar".

quarta-feira, 26 de março de 2014

Respeito pela Terra (continuação)

   3.- O respeito pelos mares e pelos rios
              Alguns humanos conspurcam os mares, conspurcam os rios, conspurcam os lagos. Com a maior insensibilidade para com os outros habitantes da Terra, incluindo muitos dos humanos que não procedem de igual modo. Nada teem adiantado as cimeiras, os congressos, as entrevistas, que se realizam com muita frequência em diversos paises, Nem adiantam , as reportagens, os filmes e documentários por mais assustadores que sejam quanto ao mal que causam e estão causando.
             Quer nos mares quer nos rios, a contaminação das águas tem provocado e continua provocando enorme mortandade em diversas espécies animais, incluindo a do homem. A mulher e o homem e os seus filhos aspiram em muitas cidades o ar contaminado por óxido de carbono e por outros gases provenientes de muitas fábricas. Em Setúbal existia uma empresa que exportava para França, em cada dia,  dois "camions" carregados de ostras. A instalação duma fabrica de papel no rio Sado acabou com essa exportação. Isto é um exemplo e outros semelhantes se podem apontar em relação à diminuição dos peixes e outros habitantes dos mares que se reflecte acentuadamente na diminuição da pesca em todos os continentes salvo raras excepções.
             E, pelas poluição da atmosfera a temperatura média da água dos mares está subindo. Suponho que os humanos ainda não se convenceram das consequências que daí advirão para todos eles.              

sábado, 22 de março de 2014

Respeito pela Terra

                  O respeito pelo planeta, pelo único planeta onde agora podemos habitar e viver, deve incidir sobre:
          1.- Toda a Natureza que existe neste planeta e que aqui nos entregou o Criador. Respeito que deverá traduzir-se pela utilização dos recursos que nos são fornecidos pelo Sol, pelos ventos, pelos minérios. Desde que utilizados para a conservação da vida dos humanos e de todos os animais que connosco habitam a Terra. Nunca utilizados para a guerra contra da mulher ou do homem contra outros seres ou contra a Natureza. E também traduzir-se na ausência de poluição de qualquer espécie, na terra, nos rios, lagos e mares. A poluição pode sempre evitar.se.
           2.- Sobre todos os animais. Se o Criador aqui os colocou pretende que sejam respeitados. As mulheres e os homens são os ~únicos animais que matam por prazer, para mostrar a foto do animal morto, que matam para se vangloriar do trofeu que obteem, que matam por puro sadismo. E sobre a privação de liberdade em jaulas, gaiolas,  aquários ou recintos fechados que lhes limitam o território.     .       3.- Sobre a atmosfera que envolve a Terra, por razões óbvias.  O consumo de oxigénio´, atinge no presente valores inferiores à produção. Um avião transportando 230 passageiros, consome cerca de trinta toneladas de oxigénio numa viagem de Londres a Nova York. E se andam permanentemente no ar mais de oito mil aviões pensem no consumo de oxigénio, além do consumo dos automóveis e doutras máquinas e motores em toda a Terra. E se atentarmos que a floresta, a grande produtora de oxigénio, tem diminuído muito nas últimas décadas, estamos sujeitos a que se produza cada ano que passa,  aumento da temperatura média da atmosfera com as consequências funestas que daí poderão advir.
(continua numa das próximas mensagens).     

Humildade

Humildade será o meu tema de meditação, nos próximos dias. Pouco da humildade que resulta em inferioridade, submissão, fraqueza. Mais a que respeita à simplicidade, à modéstia, ao respeito. Em relação ao único planeta em que agora podemos viver, em relação aos nossos antepassados, em relação aos que nos ajudam sem exigir retribuição.  

Poema "Vida" - XXXI -

                       XXXI


Nestes versos pretendo relatar,
Às musas rogando que me ajudassem
Nos passos que quem nasce pode dar,
As dúvidas que os mistérios medrassem.
Antes de nascer, mistério impar,
E de modo igual quando a morte passa
No meio dos mistérios fica a vida
Que a todos por Deus nos foi concedida

sexta-feira, 21 de março de 2014

Poema "Vida" - XXX

                     XXX


Chega a velhice, antes pressentida,
Perdendo vigor em toda a função,
Sem adquirir doença bem  definida
 Não lhes perturbando qualquer acção
É tempo do sossego pretendido
Após trabalhos e realizações
Só Deus sabe a razão porque cá vivem
Só Deus bem julgando o que cá fizeram

Acabar com o dinheiro

          Ontem.um economista  meu amigo, disse0 - me que a situação política, financeira e social da Europa o levou a concordar com o que escrevi no meu livro "Sonho de sorte".. Mas que concordava de forma pessimista, que acabar com o dinheiro será uma realidade em menos tempo do que eu prevejo mas que a humanidade sofrerá mais ainda. Perguntei-lhe se já havia chegado ao fim do livro depois de ler a solução que eu proponho no livro para substituir o dinheiro. Que não, que ainda não lera mais de metade do  livro. Mas está lá , disse-lhe eu, uma das soluções possíveis, decerto haverá outras melhores mas a que proponho no livro é exequível e não creio que contribuirá para um maior sofrimento da humanidade, antes pelo contrário, creio que contribuirá para o minorar.
         Poucas críticas tenho dos que leram o livro. Continuo a pensar que é assunto digno de discussão. E continuo a pensar que enormes forças se desencadearão contra o desaparecimento do dinheiro. E não serão os mais pobres que as lançarão.      

quarta-feira, 19 de março de 2014

uma pitada

Mete tudo o que sabes num almofariz, mistura bem com o pilão, destila a fogo brando  e obténs uma pitada de sabedoria.

Dia da mãe, dia do pai

O invento dos dias da mãe e do pai, penso que foi uma descoberta dum comerciante no intuito de aumentar as vendas nas vésperas desses dias e de obrigar os forretas a abrir os cordões às respectivas bolsas para adquirir um presente para os progenitores. Dia da mãe, dia do pai? Mas todos os dias não deverão ser, para as  f ilhas, para os filhos, dias do pai e dias da mãe? É necessário lembrá-lo às filhas e aos filhos? Talvez. Talvez se às filhas e aos filhos não lhes foi explicado até onde é possível, como nasceram, como foram gerados. Talvez, se às filhas e aos filhos não foi concedido muito amor, muito respeito, muita atenção
E que um beijo deles pode significar muito mais para as mães e para os pais. E perdurar muito mais que qualquer presente. 

Tristeza

           A tristeza só me invade quando vejo  privados de liberdade, outros seres, que Deus permite cá na Terra: em jaulas, em aquários, em gaiolas, em recintos fechados que limitam o território onde vivem. Sempre me confrange, sempre me incomodou ver criancinhas em pequenos parques de dois ou três metros quadrados, nos seus olhos noto sempre uma mirada de espanto, de revolta e de súplica, salvo nos momentos em que qualquer coisa as entreteem. Chorar é a sua única forma de protesto, quando ainda não teem forças para galgar o parque ou parti-lo. Por isso, embora ela não me conheça, quando tiro uma criança dum parque de três ou quatro metros quadrados, ela sorri e logo me aceita. 

Poema "Vida" - XXIX -

            XXIX


Dos quarenta aos sessenta anos de vida
Sempre surgem dúvidas não iguais
Sem  encontrar respostas definidas
Com justificações bem racionais
Entrando na velhice pressentida
Sem entender os mistérios jamais
Respostas nunca obtidas pela sorte
Conseguidas talvez depois da morte

terça-feira, 18 de março de 2014

Vícios e virtudes

          Somos e que queremos ser. Na saúde, na felicidade, no entusiasmo, na criatividade, nos vícios, nos costumes, nós hábitos. Está provado que se o negativo nos invade, se o pessimismo é a nossa lei, se a indecisão invade se a tristeza e apatia e ocupam o caracter, os órgãos vitais a pouco e pouco ressentem-se. Quando enviam uma mensagem para o cérebro, se a atitude é negativa, a resposta do cérebro reflecte-se nos órgãos de forma negativa. Se a mensagem encontra o cérebro em atitude positiva, a resposta é positiva.
            Todos nós  construímos o que somos.           

Poema "Vida" - XXVIII -

                    XXVIII


Passam tempos, os mistérios persistem,
Muitos desistindo de os desvendar
Outros em várias teorias insistem,
Com tudo o que a fé os pode ajudar.
Alguns se perturbam, outros se inquietam
Mas a vida impede-os de mais pensar.
Em mistérios que estão na mão de Deus
Lá retidos para crentes e ateus.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Poema" Vida "

Para que não surjam dúvidas, o poema "Vida", que estou publicando neste blog, é de minha autoria.

Todos comemoram

      Todos comemoram o dia primeiro de cada ano. Poucos comemoram os outros dias de cada ano, exceptuando os feriados. Porquê? As razões são obnóxias, servis aos costumes, aos hábitos, á necessidade de mudança da rotina e até por vezes, nefastas. Porque nesses dias uns,  come-se demais,  bebe-se demais, alteram-se demais o que nos traz saudáveis.  Mas teem vantagens, esses dias uns, vantagens que é obrigatório lembrar, reconhecer, apreciar. Reunem-se as famílias, renovam-se as amizades,, desejam-se saúde, felicidades, bem-aventuranças. E no fim, o saldo é positivo. Porque ainda estamos vivos.
      Todavia fica-me sempre, nesses dias, uma certa tristeza, algum espanto e inconformismo, por não
celebrarmos, todos os outros dias de cada ano que o destino nos permite viver. Quando acordo, tenho sempre vontade de celebrar o novo dia que se me apresenta, com champagnhe,  vinho , bolo do santo do dia. Sempre com muita alegria, tanta como nos dias uns de janeiro de cada  ano.

Poema "Vida" - XXVII -

                    XXVII


Passam anos instala-se a rotina
Surgem-lhes rugas, cansaços, defeitos,
Alguns cuidados, prudência benigna,
E o hábito de vários bons preceitos
São quarentões, meninos ou meninas,
A poucos males ou doenças atreitos.
Sentem-se então na alta plenitude
Cheios de vigor, zelo,  muita virtude


domingo, 16 de março de 2014

Sobre a meditação

A meditação é fundamental para o nosso cérebro. Quarenta anos de investigação cerebral demonstraram que a meditação tem forte influência sobre a cérebro e sobre os nossos genes. Mas a meditação é uma prática que necessita de firmeza e constância, de entusiasmo de profundo crença. Pode começar-se naturalmente, sem nos forçarmos, em qualquer hora das horas em que nos mantemos acordados, durante os nossos passeios, quando nos deitamos para descansarmos da actividade diária. Pode começar-se por olhar para uma vela acesa, por olhar para o mar, por escutarmos o vento ou uma brisa suave.

Poema "Vida" - XXVI -

                      XXVI
Nessa época da vida, começam-lhes
Surgindo grandes interrogações
Donde viemos porque é que aqui estamos?
Para aqui vivermos, quais as razões?
Dúvidas que dia a dia se instalam
Sem respostas nas nossas convicções
Que faremos nos mistérios da vida?
Que faremos depois dela vivida?


Percepções

          Penso que a todos os que me leem vos aconteceu mais que uma vez, entrarem num recinto ou numa sala onde se encontram alguns desconhecidos e não se sentirem bem, experimentando uma sensação de incomodidade, um despertar, um alerta na vossa consciência, como que um aviso interior. Ontem assim me sucedeu. Estava numa sala onde crianças lanchavam sentadas a diversas mesas e auxiliadas por uma assistente social. Dois ou três minutos depois de eu chegar, pela porta da rua entrou uma mulher dos seus cinquenta anos, vestida com farda daquele centro de apoio a crianças. Perguntou, em voz não muito alta, se seriam necessárias mais sanduiches, dois ou três miúdos levantaram os braços e ela disse no mesmo tom neutro de voz, então trago mais quatro. E largou para a cozinha. E nesse minuto ou dois que aquela senhora ali esteve, senti a tal incomodidade, o tal desconforto que atrás referi, um sentimento de coisa negativa que ali tivesse entrada, que não me impressionou  os sentidos mas que me fez concentrar e desviar o espírito para algo que me desagradou. E quando ela abandonou a sala, senti alívio.+
           Não sei se o mesmo vos ocorreu alguma vez. A mim já me sucedera em reuniões de trabalho ou de família. Vou tentar encontrar a explicação num tratado de  psicologia     

sexta-feira, 14 de março de 2014

Poema "Vida" - XXV -

Se o amor passa fica a amizade
Prazeres e palavras partilhando
Rasgando os silêncios p'ra que não tarde
O regresso ao convívio desejado.
Nessa época não pensam na idade
O futuro jamais os perturbando
Gostam do que fazem, da profissão
E assim têm uma boa ocupação

QUase uma certeza

Parece estar demonstrado que quanto menos uso tem um órgão no nosso corpo mais se deteriora. Não  sei se há estatística sobre o assunto. Será muito útil que exista e que seja divulgada.
Mas há provas evidentes que  o demonstra. Uma das mais conhecidas é o que se observa em qualquer humano que leve vida sedentária. Que passe muitas horas sentado,  que não ande todos os dias pelo menos meia hora, que em casa seja activo, colaborador nas tarefas caseiras, só utilize o elevador nem que seja para subir as escadas que o levam ao primeiro andar. E os que se sentam num banco do jardim, não conversam, não visitam amigos, não se encontram com companheiros dalguma actividade, lentamente o seu cérebro vai perdendo faculdades, vai mirrando, vai enquistando, a fala cada dia que passa é mais tremida, a construção das frases cada dia que passa é mais imperfeita, o vocabulário cada dia que passa é menor.
É quase uma certeza que esses humanos caminham para a demência.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Mensagem dos setenta

A mensagem que os setenta ilustres bonzos publicaram nos jornais de ontem alem de, em nossa opinião, não ser oportuna e poder trazer consequências pouco desejáveis para o nosso país, peca por não referir que qualquer solução para a economia de Portugal passa pela obrigatoriedade de que seja combatida a corrupção existente, a justiça escandalosamente demorada, a educação sem uma reforma urgente e a protecção da maternidade que induza as mulheres e os homens ao desejo de ter e criar mais filhos.
Sem que o governo que temos e teremos, de qualquer partido, não  lhes conceda prioridade, será quase impossível promover a reestruturação para o pagamento da nossa dívida. da nossa dívida.
Entre os signatários do manifesto não vimos o nome do dr. Medina Carreira. E na próxima segunda feira, no seu programa semanal de "olhos nos olhos", na tvi-24, ele decerto explicará porquê.  Mais uma vez ele referirá que a não resolução dos pontos acima indicados impedirá o êxito de qualquer iniciativa para resolver os problemas da economia e finanças de Portugal.

Poema "Viada" - XXIV -

                           XXIV


Amores, devaneios, ilusões
Que eles vão pouco a pouco descobrindo
São novas e profundas sensações
Por entre tudo o mais  que vão sentindo
Algumas não são mais que percepções
Que o espírito pouco vai resistindo
É época mais lembrada da vida
Quase sempre a época mais querida 

terça-feira, 11 de março de 2014

Dívida pública

Não vejo nos debates, nas notícias, nos artigos dos jornais que a dívida pública de Portugal seja tratada como dívida, esquecendo que os credores ditam as suas condições. O mesmo se passa com ra qualquer cidadão devedor.
. Se um cidadão contrai uma dívida acima das suas posses, tal como no caso do país, ele sonha que lhe perdoem parte do que deve. Tudo depende da ingenuidade do credor, da sua amizade, da sua paciência, da sua bondade. Tal como sucederá com qualquer país que contraia uma dívida que não pode pagar em poucos anos, porque não produz riqueza suficiente,, porque tem governo instável, porque lá existe muita corrupção, porque a justiça é laxista e demorada para com os poderosos, porque os sindicatos não se defrontam com uma mão firme no governo.,
.    

Poema "Vida" - XXIII

                      XXIII


Na maioridade muitos se empregam
Desde que o ensino liceal terminam
Outros nas faculdades all seguem
Os cursos que sempre mais preferiram
E que, bem terminados, lhes permitam
Singrar na carreira que mais preferem
Para toda e qualquer das profissões `´
São de alto valor as boas formações

segunda-feira, 10 de março de 2014

Poema "Vida" . XXII -

                 XXII


Ciência, rigor, método no etudos,
Lhes dá a faculdade nalguns anos,
Experiência virá doutros canudos
E toda a que provem dos desenganos.
Porem alguns, mais fracos ou mais rudes,
Seguem outros caminhos mais insanos.
Para ir pelo melhor rumo na vida
Há que tomar a decisão devida

O grande objecivo

O grande objectivo de muita gente é a fortuna, acumular dinheiro, considerando os pobres como fracassados. Não é necessária grande sabedoria para sentir de forma diferente.

Poema "vida" - XXI -

                    XXI


Os anos passam como brisas suaves
Que nas suas memórias em traços leves
Por eles são sentidos como afagos
Sem saber que esses anos serão breves
Nem sentir se são bons ou se são graves
Dissabores pois o diabo que os leve
Do amor estão a entender os princípios
Dos azares só conservam resquícios

domingo, 9 de março de 2014

Poema "Vida" - XX -

                   XX


Em profundos pântanos, lamaçais
Onde desgraças, vícios existem,
Há muitos jovens em condições tais
Que nem sequer uma esperança sentem
Ali estão inertes, como os demais,
Absortos, não sabendo que vivem.
Quem não sente o que vive na sua vida
Perde o encanto e fulgor, se assim vivida.

Poema "Vida" - XIX -

            XIX


Nos nossos tempos, porém, ainda há jovens
Numa adolescência desamparada,
Decidindo os seus actos sem que alguém
Lhes dê soluções bem mais acertadas
Muitos deles só vícios os retêm
Sem obter soluções mais concertadas
Mais fácil é ceder às tentações
Se os impulsos são prenhes de ilusões.

sábado, 8 de março de 2014

Artigo de hoje no "Público"

No "Público" de hoje vários artigos se referem à mulher, em particular o da jornalista Laura Ferreira dos Santos que refere a " forma colonial de tratar as mulheres". Todos as mulheres (incluindo os homens...) o deveriam ler. Porque será que vemos sempre referir " homens" como o conjunto de homens e mulheres e não referir "mulheres" como o conjunto de mulheres e homens? Só talvez, como refere Laura Ferreira dos Santos no título do seu artigo, por se tratar duma "forma colonial de tratar as mulheres". Os homens, (aqui julgo que só os homens) magnanimamente concedem âs mulheres o direito de trinta por cento nos lugares da assembleia da república, e muitos outros menos de cinquenta por cento doutras posições. Que forma tão democrática de as tratar, entre outras coisas porque há mais mulheres que homens e porque os homens continuam a dever às mulheres terem nascido, que elas não tenham abortado, atirando-os para o lixo quando eram fetos.
Os homens ( aqui refiro-me aos homens) já pensaram nisto?
Vejam o que está sucedendo em Portugal, no ano passado nasceram pouco mais de oitenta mil crianças,  porque os homens ( e refiro-me só aos homens), com a maioria no parlamento,  não dão condições às mães para gerarem mais filhos, ´continuando porém a exercer a parte mais fácil na         procriação..   .

sexta-feira, 7 de março de 2014

Hipertimesia

      Nos Estados Unidos, oito indivíduos possuem hipertimesia, uma faculdade que lhes permite relembrar com precisão factos importantes ocorridos em qualquer dia do passado das suas vidas. É uma notícia da autoria de professores da universidade de Harvard.
      Essa faculdade não é uma doença. nem essas pessoas têm qualquer lesão cerebral . E, nalguns casos, segundo narra Deepak Chopra. a capacidade de lembrarem qualquer detalhe das suas vidas começou de súbito, num determinado dia. O que ainda não foi explicado. E que, por outro lado, é mais uma grande notícia sobre as capacidades desconhecidas do cérebro humano. Seria curioso conhecer as capacidades dos cérebros dos descendentes desses oito indivíduos americanos.
        Será que aí se encontra a base da evolução do "homo sapiens" para outro "homo"?
      .

Poema "Vida" - XVIII

                 XVIII


Cria amizades, encontra o amor
Estuda os segredos da profissão
Participa, discute com calòr,
Aprende a não calar se tem razão
Por vezes também sente alguma dor
Ligada aos assuntos do coração
Mas vai, nesses anos, com alegria,
Sentindo sempre a vida, dia a dia.

quinta-feira, 6 de março de 2014

              O cérebro humano, o cérebro desta espécie animal que o Criador lançou à Terra, aperfeiçoa-se , segundo uma opinião superficial deste leitor ignorante, no trabalho, na actividade dos milhões de neurónios. Leio por aqui e por ali algumas publicações sobre este assunto, dentro da curiosidade que julgo salutar. No presente estou lendo, com interesse crescente, um livro desses autores ilustres Deepak Chopra, M.D., e Rudolph E. Tanzi,Ph.D., livro que se intitula "Super cérebro", livro que em rodapé refere "Liberte o poder explosivo da sua mente para maximizar a saúde, felicidade e o bem-estar espiritual".
                É um livro revigorante, instrutivo, aliciante, ao mesmo tempo que nos faz revigorar o interesse pela vida e nos sugere indicações preciosas para o dia a dia de forma a não deixarmos envelhecer o espírito, submetermo-nos  à  resignação, passividade e inércia da nossa actividade mental. 

quarta-feira, 5 de março de 2014

Poema"Vida " - XVII -

                    XVII


Se no liceu o jovem tem sucesso
E entra na faculdade  preparado
Se à norma do estudo não é avesso
E nos exames bem classificado
Com alto louvor sempre bem expresso
Pelos mestres sendo bem conceituado
São anos que sempre lhe permitem
Um futuro de vida só de bem



terça-feira, 4 de março de 2014

O cérebro humanpo perde cerca de 85.000 nertóneos por dia o que é uma pequeníssima fracção,
(0,0002%) dos cêrca da 40.000 milhões de neurónios do córtex cerebral. Pelo que não nos devemos preocupar com a perda diária de neurónios: em 600 anos perderíamos apenas metade dos nossos!

Poema "Vida" - XVI -

                   XVI


Aos dezasseis ou dezassete anos
Não guia a sua vida o adolescente
Por toda a fortuna sorte ou enganos
Que nos seus passos surgem à sua frente
È impulsivo, despreza os desenganos
 É sagaz, entusiasta e bem valente
Se em casa e na escola, no dia a dia
Assimila as lições de valentia
"Só ecistem três tipos de homens dignos de respeito: o padre, o guerreiro e o poeta. Saber, matar e criar." (- de Baudelaire.)

segunda-feira, 3 de março de 2014

Poema "Vida" - XV -

                  XV


O adolescente cresce, fortalece-se,
Começa a criar outras amizades
Além da que a família lh´oferece
Goza orgulhos, sofre curiosidades
Tem intelecto que se fortalece
Passa pelas bondades e maldades
Vai ao vasto mundo das ilusões
Sofre ataques de muitas tentações

Poema "Vida" - xiv -

                          xiv


Quando a criança conhece a liberdade
Sempre bem apoiada pelos pais.
Que ao valor da responsabilidade
Muito referem nunca ser demais,
Se os pais bem lhe ensinam a sobriedade
Arredando-os de vícios fatais
Ganha o jovem a boa educação
Para qualquer regime ou condição

As incorrecções

            Quando tudo caminha sobre carris, quando tudo decorre com suavidade, dentro do projectado dentro daq normalidade, uma incorrecção, mesmo que ligeira pode fazer despertar os sentidos com maior ou menor intensidade. Quer dizer, os sobressaltos, os acidentes, o espanto parecem ser essenciais para o progresso, para a descoberta ou até para a criação de beleza.,

domingo, 2 de março de 2014

Poema "Vida" - XIII-

                XIII


Mais um ano e a criança começou
Recebendo lições mais complicadas
Com matérias que o mestre apresentou
Ciências por ela dantes ignoradas
Parte desse saber não olvidou
Em memória sempre bem revelada
Memória já bem grande nessa idade
Como é próprio de toda a mocidade
 

O maior cínico

                O maior cínico, parvo, cruel e insensível  indivíduo é o que refere a amor como um contributo notável para engendrar cidadãos para a pátria.
          As andorinhas começavam a brincar com o vento que arrancava folhas dos ulmeiros. Os de namorados passeavam, ele criticava-lhe a saia curta, ela respondia-lhe se namoras comigo não penses que és meu dono, o amor tinha levando voo no coração dele naquele momento, nesse segundo em que nela lhe  nasceu a indiferença, a tristeza oculta.  O dia enuviado e triste completava o clima de tensão.
.                                                                                                    

O trabalho e a ocupação

O trabalho tem sempre a sua retribuição material, e não deixa de ser sempre uma exploração do nosso esforço. A ocupação numa actividade que nos agrada, remunerada ou não, dá-nos prazer, dá-nos mais satisfação ao nosso espírito. Por isso o tempo que empregamos numa ocupação, pouco se sente, ao contrário do que se passa com o trabalho. Numa ocupação não necessitamos do relógio. 

Poema "Vida" - XII

                 XII


Conhece as primeiras letras na escola
Os mestres dão-lhe senso, disciplina
Os livros leva-os sempre na sacola
Cresce muito esse menino ou menina
Gosta do xadrez, de jogar à bola,
Os pais dão.lhe o que a escola não ensina
Começa a ter alguma fantasia
E uns laivos de bela sabedoria

sábado, 1 de março de 2014

A raiva também emagrece

            Em aditamento à receita que hoje vos ofereci, depois de a seguir não ingerir mais nada.
            A raiva que deve suscitar, também emagrece.

Aos que me leem nos Estados Unidos, Canadá, Espanha ou Itália

Aos que leem estas mensagens nos Estados Unidos, Canadá, Espanha, Itália ou noutro país,podem escrever os vossos comentários em inglês, francês, espanhol ou italiano.  

Receite

           Como estão na moda as receitas para emagrecer, aqui vai uma :
                    -  Hortelã-pimenta, um molhinho
                    - Cravo e calnela, 10gr de cada
                    - Arroz doce. 50 gr
                    - Umas farripas de bacalhau
                    - Peru, pato e frango, q-b-
                    - Almiscarr, uma pitada
                    - um dente de alho triturado no almofariz
                    - Noz moscada, duas voltas na rolha do frasco
                    - Meio litro de lrite magro
Misturar tudo pela ordem indicada,, ferver em lume brando, deixar arrefecer, conservar no frigorífico a seis graus durante vinte e quatro horas
                       - Despejar no lixo..

Poema "Vida" - XI -

                    XI


Há em seus olhos abismos imensos
São lagos profundos de verde cor
Ou que espelham  outra cor muito densa
Cheios de sorrisos , pouco de dor
Dardejam muitos raios fulgurantes
Emitem talvez mensagens de amor
Só raramente uma pequena lágrima
Com pranto representa a sua dor máxima