Número total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

agradecimento

Aqui manifesto o meu agradecimento (os meus e os da Mari,a minha esposa) aos nossos,pelo menos,190 milhões de antepassados terem namorado e amado o suficiente para que nós e principalmente os nossos filhos e netos cá aparecessemos e vivamos neste mundo. Digam lá se o acaso não é, muito frequentemente,uma certeza.Bastaria que um deles tivesse acabado o namoro ou tivesse sido morto numa daquelas guerras em que tantos deles se meteram.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

sobre a felecidade

"A felicidade não é fruto do acaso,nem é puro aprendizado de virtudes...é dádiva divina"
"A felicidade é uma actividade virtuosa da alma,os demais bens são a condição dela,ou são úteis como instrumentos para a sua realização" Aristóteles

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

maneiras de acertar

Acertei.Claro,ou saía uma ou a outra.Mas Quem na verdade nos governa é que sabe. A longo prazo,provavalmente lá para depois das nossas vidas é que aparecerão as boas consequências.Espero que pelo menos apareçam a tempo dos meus filhos ou dos meus netos descanasarem.E não é só isto,tão simples.Pensamos por vezes que só existem duas alternativas, e, Quem na realidade nos governa, tem e considerou mais não sei quantas. Ontem,até às 20 horas eu só considerava duas como possíveis.Eu,imaginem,eu ,que sou adepto do impossível !Agora, fiquei ainda mais adepto. Aguardo com curiosidade,sem apreensão o que aí vem.Isto também faz parte da esperança e do prazer de viver.Que podemos partilhar mas não temos de retribuir nem de pagar imposto.

domingo, 27 de setembro de 2009

viemos de lá

Milhões de gotas da chuva que cai do céu formam riachos estes juntam-se em afluentes que se unem no rio que acabará num lago ou no mar. De forma semelhante milhões de seres humanos se uniram,quais gotas da humanidade,se uniram e uniram até mim e à minha esposa.Qualquer ano,qualquer mes,qualquer dia chegaremos todos noutro rio, ao mesmo mar de todas as famílias e, provavelmente,no futuro,tambem seremos gotas a evaporar-se para o céu.

sábado, 26 de setembro de 2009

anedota

Aí pelos anos 1949 ou 1950 contava-se a anedota seguinte : numa reunião do conselho de ministros um destes pediu a palavra a Salazar e disse : "senhor presidente, a Alemanha e o Japão perderam a guerra e tiveram até agora um ressurgimento enorme. O nosso país encontra-se numa situação económica que se prevê cada vez mais dificil.Tenho uma proposta para apresentar, para tambem ressurgirmos proponho que declaremos guerra à Russia".
Grande silêncio na sala. Apenas um dos ministros,o da guerra (Santos Costa) pediu a palavra, dizendo :
- Isso é muito bonito,o problema é outro.
- Qual - interrogou Salazar.
- Qual ? E se ganharmos a guerra ?

Amanhã há eleição - previsão,sem sondagem

Não duvido, sei quem vai ganhar amanhã a eleição.Ficarei contente seja qual fôrem os vencedores. Fico contente porque é essa a vontade do Senhor dos nossos destinos. É provável que se uns ganharem, levarão o nosso Portugal a uma bancarrota e dêem uma abanão,uma cacetada grande nos portugueses, bem grande e suficiente para que o nosso pôvo acorde e se mobilize.O Senhor de todos nós não nos fará entrar e perder numa guerra que faça despertar o nosso pôvo,como sucedeu com a Alemanha e com o Japão, que após a última guerra ressurgiram das cinzas,algumas atómicas.Se Ele decidir que outros ganhem,no que não acredito, a nossa agonia e o nosso sofrimento serão muito mais lentos e talvez acabemos por apanhar com a mesma cacetada.Mas,nesta alternativa,poderão surgir melhores dias,no entender d'Aquele que decidir.É a alternativa que desejo,mas se acontecer a primeira,compreenderei porquê se fez a Sua vontade.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

a mensagem do senhor Obama

Não deixem de ler a mensagem do presidente Obama sobre o começo das aulas nos Estados Unidos.No blogue de Patrícia Reis está a transcrição completa da tradução.Eu propuz à senhora Patrícia Reis que se faça uma subscrição nacional para que seja editada esta mensagem, com destribuição em todas as escolas do nosso Portugal. Os governantes, quaisquer que sejam os que forem eleitos no próximo dia 27/9/09 , duvido que tenham interesse nisso.Se não o tiveram desde há trinta anos para cá,dificilmente mudarão. Se mudarem,as nossas preces foram ouvidas.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

o senhor acaso

O senhor acaso deveria ter um título nobiliárquico não daqueles que já não se usam mas ainda muitos exibem como herdados.Não com os usuais títulos da antiga nobreza(raramente nobre),don,barão,visconde,etc.,mas com outra classificação mais empregue numa elevada condição humana que se traduza na sobriedade,humor,companheirismo e bondade.No senhor acaso abundam todos estes quatro predicados. Acompanhem-me a pensar um pouco.O senhor acaso é sóbrio na simplicidade,moderado na frequência,gera humor em muitas situações que cria,é amigo,camarada,companheiro na ajuda para a resolução de muitos problemas e generoso e de mãos largas nos auxílios inesperados que concede. Eu estou convencido,pelo que tenho observado há umas dezenas de anos,que o senhor acaso com frequência também "escreve direito por linhas tortas" ou,como eu por vezes digo,escreve torto por linhas direitas.O senhor acaso,que é tão antigo aqui no planeta como o aparecimento da vida, por vezes dá um grande prémio numa lotaria a quem, passados uns anos, passa e se encontra na miséria,ou, parece-me que ainda pior, ao forreta que se encontra às portas da morte, numa idade imprópria e incapz para gozar o que ambicionava e que agora poderia obter.E por vezes,como eu torno a dizer,escreve torto por linhas direitas, se não contempla com alguma das suas benesses quem vive feliz a passar a vida que tem,por conhecer todo o passado e todo os futuros possíveis, sabendo que,alterando essa vida oferecendo-lhe um dos seus pedaços de acaso , a modificará para pior. Não me desculpo pelo que digo,antes me congratulo,se começaram a reflectir, a meditar .

domingo, 20 de setembro de 2009

dois dias sem o prazer do blogue

Não me agradaria tornar-me num procrastinador inveterado.Fiquei zangado comigo por ter-me esquecido do blogue e perdido o prazer que tenho mandando mais um para a electrónica.Nestes dois dias passados só me lembro do torneio de xadrez em que participei em Aiamonte acompanhado por mais cem partcipantes,mais de metade jovens de cinco a dezasseis anos. De sexta feira nada me lembro.Ontem antes de adormecer consegui pensar pr'ái durante um quarto de hora.Para combater esta inércia começo hoje a apontar o tempo que passo a pensar durante cada dia. Prometo que não aldrabarei a respectiva estatística.O meu IPE (instituto pessoal de estatística) é entidade honesta. Descreverei também o que fiz,além de tomar banho,vestir-me, calçar-me, satisfazer o apetite e outras ocupações rotineiras do dia a dia. Nem que seja para pensar o que escrever sobre coisa nenhuma,porque estas coisas nenhumas por vezes têm muita importância.Depende da sua classificação. Coisas nenhumas,para muita gente é tudo aquilo que não nos interessa,para outros será tudo aquilo em que não vale a pena pensar.Mas lá dizia o poeta, "tudo vale a pena..." já sabem o resto,os que não sabem não lhes importa e portanto esse resto,para eles, não vale a pena, não vale nada.Mas, naquele quarto de hora antes de adormecer, pensei no acaso.Assunto para o blogue de amanhã.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Os ministeriáveis

Os associados nos clubes que praticam o futebol,mais de um milhão em Portugal,muitos milhões em todo o mundo,aprovam que a direcção do seu clube pague, em muitos casos, milhões de euros a outro para trazer para o seu um jogador que se distingue da mediania, o que é legal.Não são menos fanáticos nem mais patrióticos que os inscritos num partido político. Se alguem me explicar porque os associados dum partido político não admitem convidar,sem despender um centimo,um ex-ministro doutro partido que foi sério,incorrupto,patriótico e exemplar quando foi ministro,para exercer as mesmas funções num novo governo doutro partido,se alguem me explicar,agradeço.É um desperdício para a nação.É difícil admiti-lo mas talvez se obtivessem conclusões menos fanáticas e de maior valôr para Portugal, se, em mesa redonda,conversássemos sobre o tema.

Um blogue muito bom

Que ela me perdoe mas não posso deixar de vos aconselhar que visitem o blogue de Patrícia Reis(http:/ Patrícia Reis.blogstop.com).São mensagens invulgares, falando da vida sem preconceitos e,principalmente,dizendo o que o coração lhe dita.Acreditem que vale a pena,é de graça,de borla,não pagam nada e muitas dessas mensagens fazem-nos pensar, o que,nos tempos que correm, é uma oferta melhor que um bom prémio do euromilhões.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Vulgaridades

Algumas das que mais nos perturbam,intimidam e nos transtornam:
- as demoras na justiça.
- o desinteresse pela esperança.
- a generalização da pobreza.
- a contaminação da apatia.
- a decadência do ensino.
- a ausência da delicadeza.
- a indiferença pelos atentados à vida.
- a propaganda desonesta.
Faltarão muitos dias para um futuro melhor ? Infelizmente,também isto é umavulgaridade.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

a foto deste vosso admirador

já cá está,foi a vitória de hoje.E está a 45 graus,não por desconsideração,mas é aue assim,já repararam ?, assim todos viram a cara para me verem e,o que é mais importante,sorriem.Conseguir que alguém sorria francamente,é uma vitória ou não é ?

Raridades destes tempos

São tantas que muita pessoas as olham com indiferença ou mal reparam, se não sofrem as consequências.Eis algumas:
- meninos e graúdos de bicicleta nas direcções e trajectos permitidos
- senhoras grávidas,meninas grávidas ainda menos.
- papás de cara radiante, com um filho ao colo ou às cavalitas
- casados com aliança, de mão dada,debraço dado ou abraçados
- mulher e marido, sentados no café, conversando e/ou sorrindo um para o outro.
- revolucionários com barba,pera ou bigode
- mercearias no bairro
- prateleiras nos supermercados com aquilo que queremos comprar
- um sorriso franco no funcionário público que nos atende
- cartas de amôr,daquelas muito ridículas...

domingo, 13 de setembro de 2009

As surpresas

Um autor conhecido disse que não tinha surpresas,não havia surpresas para ele.Que quem as tem manifesta pouca presença de espírito. Eu não concordo.Ele não se referia de certeza às surpesas, digamos, materiais,aos sustos tais como o rebentar duma bomba ao nosso lado,sair-nos um grande prémio da lotaria, apanharmos um encontrão inesperado.É provável que se referisse ao pasmo, ao assombro,ao espanto por algo que contenha dose considerável de imprevisto.Para mim as surpresas fazem parte da vida e estão inseridas no sentido da vida. Quer as surpresas momentâneas como encontrar na rua quem sabíamos muito longe e de quem sentíamos saudade resignada pela distância. Quer as surpresas contínuas e progressivas que o tempo nos concede, ao sentirmos, por exemplo, como vemos evoluir magnificamente a vida duma filha, de todos os nossos filhos.Conclusão : os que sofrem de pouca presença de espírito quase apenas sofrem sustos. Para os que a têm mais abundante,todas as surpresas, fazem parte da vida, quer as desagradáveis,os sustos,quer as outras, em particular as lentas, que nos ajudam a compreender o sentido da vida.

sábado, 12 de setembro de 2009

Bons e maus

O que é bom,parece um paradoxo,pode ser bom ou mau.P.ex., os intestinos.Sendo maus é um grande problema; sendo bons, podem ser maus porque por mais que variemos a dieta,não emagrecemos.Só emagreceremos se deixarmos de os abastecer - e mesmo assim passamos tres ou quatro dias sem perder peso ; se jejuamos mais de 3 ou 4 dias pode o intestino passar a ser mau ,com o tal grande problema. Mas passemos a outro exemplo menos prosaico, menos fisiológico. O tempo bom,sem vento,sem chuva, com sol e boa temperatura. Pode ser mau para muitos ou muita coisa. Mau para o agricultor se continua a seca, mau para a floresta que perdeu a ajuda da chuva para apagar o incendio.mau para o namorado que vê a sua amada entrar de ferias e fugir para as praias.Bom e mau, sentir a saudade. Será muito mau o não nos importarmos com a saudade,ser-lhe indiferente.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

António Quadros

Sou suspeito,porque ele era meu sobrinho.Mas não posso deixar de vos aconselhar que o leiam.Que leiam pelos menos os seus artigos no Diário Popular e no Diário de Notícias. Leiam a "viagem à Rússia", escrito nos anos sessenta.Uma prosa são escorreita,simples sem as muletas hoje tão frequentes dos "portantos" dos "jás" e "agoras", dos "....mente" dos "incontornáveis". Deixou-nos há alguns anos,acredito que não se perdeu que regressou e que o estamos de novo apreciando.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

sexta feira

Ainda há sextas feiras ? amanhã é outra sexta feira dizia um dos nossos antepassados depois que descobriram as quintas.Os egípcios parece-me que não ligavam nada a isso,diziam,o que era muito mais lógico, que a sombra da pirâmede ainda não tinha passado da tumba do avô, que a noite terminaria no começo do dia seguinte e começara no fim do dia passado - digam lá que não era muito mais lógico. Estes terráqueos dizem que o dia começa no meio da noite,não dizem o que é que começa no meio do dia porquê ? que falta de imaginação.E que a falta de respeito pelo criador.Se o Sol um dia desaparece,lá se vão as sextas feiras...

Quatro estrelas mais uma lá atrás

A menina Filipa Queiroz apresenta no número deste mes da revista " Os meus livros " uma crítica ao livro "Por detrás das paredes" de Alexandra Quadros, ali classificado com quatro estrelas .Concordo a crítica e não com a classificação.Falta um estrela que é natural que seja de primeira grandeza e que tenha ficado "por detrás " das que vemos.É a minha opinião,imparcialíssima,como não pode ser outra por parte dum pai que,democraticamente se arroga no direito de a colocar no patamar da boa fama e no altar do seu amor.Disse e quem discordar não é democrata...

Ave do paraíso ou ficulizio ?

Foi bom ter entrado há poucos dias na caixa do tempo e expressado alguns desejos.Um já se realizou. Após dois anos de bons tratos cá em casa, a sterlitzia está gerando a primeira flor.No entanto ainda não sei se se trata de de um ficulizio ou duma ave do paraiso. O ficus anda com um ar deveras comprometido,mas a sterlitzia,impávida,mostra-se eufórica, oiço-a cantar...

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Investimos

Fala-se agora muito no investimento que é necessário para diminuir o desemprego. Eu e a minha querida espôsa,casados há tão pouco tempo,apenas,(sem ironia, nem mal dizer,nem interesse em provocar espanto)apenas há 56 anos,4 meses,13 dias e 10 horas,não sentimos os anos passarem pelo nosso casamento.Sentimos cada hora que passamos juntos mais intensamente que os anos,meses,dias anteriores.E do investimento no nosso casamento,resultaram os quatro filhos maravilhosos que estavam desempregados da vida antes de nascer.A Clarissa,o João,a Paloma e a Alexandra.Em Mormugão,na Índia. vi o retrato do meu pentavô Castro(todos temos 64 pentavôs,não sei se já fizeram a conta),agradeci-lhe efusivamente.Espero que um dos meus pentanetos que veja um retrato meu me dê um sorriso e pense durante alguns segundos o mesmo que eu pensei quando vi o meu pentavô Castro, naquela parede de Mormugão.Retribuirei esse sorriso.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Um fanático

Conheço e conheci durante a vida,alguns fanáticos.Todos os que conheci,sem excepção(oxalá que algum dia encontre um diferente)têm,desenvolveram dupla personalidade.Não sei se um psiquiatra concorda comigo.Mas um fanático ,quando fala alto,fala duro.contundente,autoritário,implacável,submetendo imediatamente os tímidos,argumentando com agressividade os serenos,respondendo a uma pergunta comprometedora com argumentos racionais mas fora do contexto da questão que lhe foi apresentada.E o mesmo fanático,quando fala brando(se fala com outro fanático,assim fala)quando tem que dar um abraço ou dois beijinhos, aí apresenta o seu lado tolerante,contemporizador,liberal.Mas,se neste momento olharem para os seus olhos reparem que ele nunca consegue tirar o amarelo do sorriso.

domingo, 6 de setembro de 2009

Leituras

Lemos durante a vida o que muitos escreveram no passado,desde que conseguimos começar a ler ,até hoje,lendo e acumulando em prateleiras o que nos agradou ou deitando para o lixo o que nos desagradou ou o que não estava ao alcace da respectiva inteligência.Alguns, uns priveligiados a quem o destino proporcionou a luz numa parcialidade indecente,conseguiram amassar muito do que leram com uns pózinhos da experiência adquirida, regados por laivos de inteligência ao dispôr e salpicados com o humor necessário e suficiente para admitir a nossa ignorância e inferioridade perante o autor.Começo agora a desvendar muito do que está escrito no futuro,os que já começaram digam lá se não é uma maravilha ? Se algum dos que lerem isto quizer que, eu explico,não explico agora(...),explicarei no futuro.

A caixa do tempo

Aparece-me de vez em quando a caixa do tempo.Faço-a aparecer quando quero,descobri -o por acaso.Basta-me abrir o acaso e está lá dentro a caixa o tempo. Quando agora entrei nela, lá dentro tudo é escuridão, dou por mim comodamente deitado em cima de estrelas tão suaves com algodão ou sumauma.Ao meu lado, flores contam-me segredos de família,o relógio de pulso parou e do filme de que aparece à minha frente sai o meu tio-avô João e vem para junto a mim trazendo-me sentado nos joelhos,com sete anos de idade e ensinando-me quadras brejeiras. A caixa do tempo fecha-se,o relógio de pulso recomeça a andar e aqui estou de novo a esrever este blogue...

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Não resisto

a dar-vos esta citação : "Passava ante-hontem um carro na travessa das Almas,e os desalmados dos bois,sem attenção nenhuma às luzes que esclarecem os moradores d'esta nobre capital,foram,cegos e desvairados de encontro a um candieiro de gaz e pregaram com elle em terra,metendo em trabalhos o pobre carreiro que os conduzia e mais um sujeito que teve a desfortuna de o acompanhar.Debaixo dos pés se levantam os trabalhos."- publicado no Diário de Notícias,nº 746 de 10 de Julho de 1867 . Lindo.E o DN custava então "cada número 10 reis".

terça-feira, 1 de setembro de 2009

O sentido da vida

Qual é o teu,o meu,o nosso sentido da vida? .Qual o sentido do que fizemos neste infinitésimo do tempo que nos foi concedido viver?. Foi apenas para procriar,para propagar a espécie ? foi só mais um passo curto na evolução ? não,não acredito que só nos foi concedida para isso esta vida que estamos trilhando. Já escrevi um pouco mais sobre este assunto,gostaria de ler a vossa opinião.