Número total de visualizações de página

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

*
      Não gosto de quartos fechados
De caixas, tumbas, gavetas,
De armários, sarcófagos, pirãmides
Esses hoteis da escuridão
Adoradores do negro
Residências das ausências
De compartimentos secretos
De coisas entregues
Aos tribunais do abandono
Esquecidas, sem afagos nem ternuras
Sem abraços de ninguém
Sem luz, de ares viciados
Dos algodões apodrecendo
Das lãs encardecendo
Das rendas desfiando ilusões
E de outras coisas que não tinham
Outro sítio onde cair

Muita gente é viciada no guardar
Em muitas lhes surge o gosto de esconder
Poucos guardam os desejos de fantasia
E muitos cessam de sonhar

São os que guardam
São os que escondem
São os que ocultam
São os que escurecem

Sem comentários:

Enviar um comentário